segunda-feira, 21 de março de 2016

DIA MUNDIAL DA POESIA






Que saudades eu sinto desta flor,
Que vai murchar!
E desta gota de água e de esplendor,
Um pequenino mundo que é só mar.
E desta imagem que por mim passou
Misteriosamente.
E desta folha pálida e tremente
Que tombou...
Da voz do vento que me deixa mudo,
E deste meu espanto de criança.
Que saudades de tudo eu sinto, porque tudo
É feito de lembrança...

Teixeira de Pascoaes
Versos Pobres (1949)


domingo, 20 de março de 2016

Viva a PRIMAVERA!



"A Tua Voz de Primavera
Manto de seda azul, o céu reflete 
Quanta alegria na minha alma vai! 
Tenho os meus lábios úmidos: tomai 
A flor e o mel que a vida nos promete! 

Sinfonia de luz meu corpo não repete 
O ritmo e a cor dum mesmo desejo... olhai! 
Iguala o sol que sempre às ondas cai, 
Sem que a visão dos poentes se complete! 

Meus pequeninos seios cor-de-rosa, 
Se os roça ou prende a tua mão nervosa, 
Têm a firmeza elástica dos gamos... 

Para os teus beijos, sensual, flori! 
E amendoeira em flor, só ofereço os ramos, 
Só me exalto e sou linda para ti!"

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"

quinta-feira, 17 de março de 2016

José Saramago entre o Plano Nacional de Cinema e o Plano Nacional de Leitura




O Plano Nacional de Cinema da Escola Secundária/3 de Amarante recebeu, hoje, uma visita muito especial, a dos alunos e professoras da Escola Básica do 1.º ciclo de Bela Vista, Cepelos, Amarante.
Extremamente educados e entusiasmados, estes miúdos ouviram o conto de José Saramago “A maior Flor do Mundo”, visualizaram a adaptação ou recriação fílmica da autoria de Juan Pablo Etcheverry, 2007, e responderam a questões. 
Alguns alunos do 4.º ano tiveram oportunidade de ler os seus pequenos textos sobre a história e sobre o primeiro parágrafo com que J. Saramago iniciou o conto. Por exemplo, a Ana Rita referiu que “As crianças precisam de ouvir histórias mesmo com palavras complicadas. As crianças simplesmente percebem as palavras complicadas de outra maneira, de uma maneira mais imaginativa.” Que maravilha!
E, no final, animaram os blocos B e C com as suas ilustrações inspiradas na história do Nobel da Literatura ante os olhares atónitos e maravilhados dos estudantes mais velhos.
Uma colaboração, entre as duas escolas, preciosa. A primeira de muitas.
Que manhã feliz!









terça-feira, 15 de março de 2016

DIA MUNDIAL DO CONSUMIDOR


Alunos e professores de Economia e Contabilidade assinalaram o Dia do Consumidor na BE.


Definição de Consumidor

Considera-se consumidor todo aquele a quem sejam fornecidos bens, prestados serviços ou transmitidos quaisquer direitos, destinados a uso não profissional, por pessoa que exerça com caráter profissional uma atividade económica que vise a obtenção de benefícios.

Direitos do Consumidor em Portugal

Em Portugal, os direitos do consumidor encontram-se consagrados na Constituição da República Portuguesa e pela Lei de Defesa do Consumidor (lei 24/96 de 31 de julho):

direito à proteção da saúde e segurança
direito à qualidade dos bens ou serviços
direito à proteção dos interesses económicos
direito à prevenção e à reparação de prejuízos
direito à formação e à educação para o consumo
direito à informação para o consumo
direito à representação e consulta
direito à proteção jurídica e a uma justiça acessível e pronta
Os consumidores podem reclamar utilizando para o efeito o Livro de Reclamações, obrigatório em todos os estabelecimentos públicos e privados. Em alternativa podem apresentar uma reclamação online, diretamente no site do portal do consumidor.




terça-feira, 8 de março de 2016

Dia Internacional da Mulher




Eis um dos mais belos poemas sobre a Mulher....


"Poema à Mãe

No mais fundo de ti, 
eu sei que traí, mãe 

Tudo porque já não sou 
o retrato adormecido 
no fundo dos teus olhos. 

Tudo porque tu ignoras 
que há leitos onde o frio não se demora 
e noites rumorosas de águas matinais. 

Por isso, às vezes, as palavras que te digo 
são duras, mãe, 
e o nosso amor é infeliz. 

Tudo porque perdi as rosas brancas 
que apertava junto ao coração 
no retrato da moldura. 

Se soubesses como ainda amo as rosas, 
talvez não enchesses as horas de pesadelos. 

Mas tu esqueceste muita coisa; 
esqueceste que as minhas pernas cresceram, 
que todo o meu corpo cresceu, 
e até o meu coração 
ficou enorme, mãe! 

Olha — queres ouvir-me? — 
às vezes ainda sou o menino 
que adormeceu nos teus olhos; 

ainda aperto contra o coração 
rosas tão brancas 
como as que tens na moldura; 

ainda oiço a tua voz: 
          Era uma vez uma princesa 
          no meio de um laranjal... 

Mas — tu sabes — a noite é enorme, 
e todo o meu corpo cresceu. 
Eu saí da moldura, 
dei às aves os meus olhos a beber, 

Não me esqueci de nada, mãe. 
Guardo a tua voz dentro de mim. 
E deixo-te as rosas. 

Boa noite. Eu vou com as aves."

Eugénio de Andrade, in "Os Amantes Sem Dinheiro"

E o Poeta deixa-nos um "Sorriso" e John Lennon "Woman".(Espreita os vídeos no lado direito do blog.)-

Os alunos e os Professores da Educação Especial animaram a escola com as suas prendas especialíssimas!
A BE felicita-os pela iniciativa.











quarta-feira, 2 de março de 2016

DIA(S) DO DESASSOSSEGO: Conferência «Saramago - Vida e Obra», proferida por Daniel Cruz

Daniel Cruz


Coordenadora da BE, Isabel Araújo
Sandra Pinheiro e Alex Cosme



João Pereira da Silva e Zeca Pereira (Clube de Leitores de Amarante)
 
 




E os dias Desassossegantes continuaram  á solta pela ESA. Tivemos exposições de obras literárias, de cartazes e desenhos; exibições de filmes (adaptações cinematográficas da obra saramaguiana), momentos mágicos de declamação musicada, frases e textos desassossegantes de alunos e de professores. 
Encerramos a semana com o registo fotográfico da interessantíssima conferência, «Saramago - Vida e Obra», proferida por Daniel Cruz (Univ. Coimbra), agradecendo a colaboração do Clube de leitores de Amarante, na figura do seu Coordenador, João Pereira da Silva, nesta iniciativa. 
E como (só) a cultura transgride a efemeridade do homem, continuemos a celebrá-la!