quinta-feira, 18 de abril de 2013

Livros na estante da BE - A Casa das Bengalas - António Mota



(…)  - A Custódia era uma boa mulher. Ficou viúva muito cedo e sem filhos. Depois casou-se pela segunda vez com o Avelino, que sabia tocar concertina; era negociante de milho e era muito gordo. O casamento durou meia dúzia de anos, ou nem isso, porque o Avelino morreu de repente com um ataque cardíaco. Foi a meio da missa do domingo que isso aconteceu. O padre Agostinho estava a pregar e de repente o Avelino caiu para o lado. Morreu como um passarinho.
- Depois ela casou-se outra vez? – perguntei eu, entusiasmado com a história.
- Não sejas parvo!
- Mas podia acontecer…
- Cala-te!
Tendo em conta as dores de cabeça de minha mãe, calei-me.
As histórias que os velhos contam, às vezes, têm piada. Se eu, mais tarde, resolver fazer uma novela, acho que já tenho uma bela poupança de casos que posso relatar. Acho que seria interessantíssima esta cena da Custódia a gritar no meio da igreja apinhada de gente em total silêncio:
“ Meu gordinho, minha bola de Berlim, porque é que caíste neste chão frio? Adeus, Avelininho…adeus, segundo amor da minha vida!”
E foi então que minha mãe perguntou, farta de saber que não havia resposta para uma questão aparentemente tão simples:
- E agora quem é que vai tomar conta do meu pai?
Meu pai ficou com a colher de sopa no ar e eu pus-me a olhar para as flores azuis do prato. Depois, lembrei-me das violetas que havia num canto do quintal do avô. Eram as suas flores preferidas porque, explicava ela, sem eu entender muito bem o que ele queria dizer com aquilo, “ as violetas avisam os homens que estamos aqui de passagem, mas isso não nos impede que cheiremos bem enquanto por cá caminharmos”
Um dia, escrevi textualmente este pensamento num teste de português. Pelo esforço despendido, recebi de presente oito pontinhos de interrogação. Auto-confortei-me: não é toda a gente que se pode dar ao luxo de ter um avô que mora em Torna-Ó-Rego e diz coisas tão filosóficas. A stôra não pertencia, com toda a certeza, ao grupo minoritário dos que têm um avô parecido com o meu. (…)

Sem comentários:

Enviar um comentário